Share Growth

Vive a vida

Um dos grandes desafios, a meu ver, de ser empreendedor é conseguir desligar o “botão”. Já te aconteceu acordares a meio da noite com uma ideia brilhante, acenderes a luz e escreveres num bloco de notas que está na tua mesa de cabeceira? Quantas vezes dás por ti no meio de uma conversa com outras pessoas, e não estás lá? Ou … quando vais de férias e dás por ti a colocar livros técnicos na mala? Sem esquecer claro, quando existem prazos para terminar certas tarefas, e trabalhas horas a fio sem se quer te lembrares de comer?

Eu sei que ao início parece engraçado termos ideias a toda a hora, mas chega a um ponto que passa a ser desgastante para nós, tanto psicologicamente como fisicamente. Andamos demasiado focados nos projectos, e de certa forma até somos felizes enquanto nos dedicamos ao que fazemos, mas a verdade é que não podemos esquecer de criar espaço para outras boas coisas entrarem e permanecerem na nossa vida.

Confesso que para mim tem sido desafiante manter um equilíbrio entre tudo, mas isto é o que tenho sempre em mente que devo fazer: Comer de forma saudável, ir ao ginásio e dormir 8horas por dia são (como diz o meu Pai) os pilares de uma vida saudável; Passarmos tempo com a nossa família e amigos, sem ter o telemóvel ao pé para evitar precisamente de ter o “botão” do alerta sempre ligado; Termos hobbies que nada tenha a ver com o nosso trabalho; e acima de tudo, termos tempo para estarmos sozinhos e dedicarmo-nos ao nosso autoconhecimento. Não tenho dúvidas que conseguindo fazer estas pequenas coisas diariamente, são o grande motor (em paralelo com a Paixão claro) que nos “alimenta” para continuarmos a realizar os nossos sonhos.

Eu sei que é preciso muito trabalho para atingirmos resultados, mas tenham calma. O mundo não acaba amanhã. A verdade é que não podemos fazer o máximo todos os dias. Há que definir bem as prioridades, tentarmos perceber se existe possibilidade de retirar algum peso de cima de nós delegando algumas tarefas a outras pessoas, e tudo vai correr bem.

Abre os braços e recebe o que de bom a vida tem para te oferecer! Vive a vida! O sucesso profissional não significa felicidade. O verdadeiro sucesso é a roda da vida estar equilibrada. E a isto podemos sim, chamar de Felicidade! Fica a dica 🙂

Até breve,

Joana Glória

“Vai. E se der medo, vai com medo mesmo! – já fizeste Canyoning?”

Desde pequena sempre tive espírito de aventura! Recordo-me quando ia para as colónias de férias no verão, queria experimentar tudo! Rappel normal, australiano, suspenso, Slide, escalada, kayak, etc.

Quando fui à Madeira em 2014, ia com vontade de experimentar Canyoning. Infelizmente ninguém alinhou comigo! No ano a seguir quando fui a São Miguel também ninguém quis alinhar, então decidi ir sozinha! Para quem não sabe o que é Canyoning, é um desporto de aventura que consiste na exploração progressiva de um rio usando várias técnicas e materiais que podem combinar rapel, escalada, espeleologia, saltos, tobogãs, etc.

Fiz a minha pesquisa, li comentários de pessoas que já tinham experimentado esta actividade, e encontrei a “Azorean Active Blueberry”. Os comentários eram excelentes, não havia relatórios de incidentes, e decidi marcar com eles! A curiosidade e adrenalina eram muita! O medo ia chegando conforme nos aproximávamos do local onde íamos fazer a actividade, no Parque Natural da Ribeira dos Caldeirões!

http://www.azoreanactiveblueberry.com

Chegados ao local e já equipados, no início do caminho até chegar ao Canyon deu para ir conhecendo os outros participantes. A maioria deles uns verdadeiros fanáticos do Canyoning! Um amigo meu que já tinha feito esta actividade, recomendou-me eu tentar ser sempre a primeira a ir no desafio para não ir acumulando medo!  Assim o fiz! O meu maior medo mesmo era saltar as cascatas! Conforme íamos avançando no rio, as cascatas eram mais altas, e eu ia ficando com mais medo! Recordo-me de perguntar ao Paulo qual era a altura da maior de todas! 6 metros foi a resposta! Meti logo na cabeça que não ia saltar! Entre saltos, slides, caminhar e nadar, lá se passaram algumas horas de puro contacto com a natureza, até que o momento mais difícil de todos chegou e eu disse: “Não salto!”! Mas este pensamento não durou nem 1 minuto! Enquanto todos preferiram deixar os outros saltar primeiro, talvez para ganhar tempo e coragem, uma das participantes que tinha 55 anos deu um passo à frente e disse que saltava! O orgulho foi tanto que a seguir fui eu! Saltei! Com medo, muito! Mas saltei!

A sensação de sentir um vazio durante a queda, o não saber o que vai acontecer no vazio da queda mete-me medo! E são estas experiências da vida que por vezes nos fazem pensar e nos ajudar com situações do nosso dia a dia! Tantas vezes não fazemos algo que queremos tanto por falta de coragem e/ou por medo! Estávamos ali todos para o mesmo naquele momento, e receber a força e motivação dos instrutores e dos outros participantes foi sem dúvida alguma uma chave importante. Por isso já vos tinha falado da importância de quando pedimos conselhos a alguém, que seja a pessoas positivas, a pessoas que nos apoiem, a pessoas que nos desafiem pela positiva! Ou até pessoas que queiram caminhar na mesma direção que nós! E não nos podemos esquecer que para experienciarmos coisas novas e desafiantes, também temos de fazer coisas que nunca fizemos na vida! E aí meus amigos, na hora que saímos da nossa zona de conforto …  a nossa recompensa é imediata e a magia acontece! É por isto que gosto de fazer coisas diferentes.

Até breve,

Joana Glória